Translate

domingo, 6 de setembro de 2015

A casa da vovó


Morei 20 anos no Rio de Janeiro. Lá, não tínhamos a tradição da marmelada. Até hoje, marmelada lembra-me férias em Portugal. Isso porque não importava o mês que viéssemos de férias: a parte de cima dos armários de cozinha da minha avó tinham sempre uma fileirinha dos potes e taças mais variados possíveis cheinhos de marmelada feita por ela. A cobrir: papel vegetal embebido em aguardente e uma fitinha a prender com um nó e lacinho... ( fio, na verdade, que ela guardava sempre que trazia alguma coisa embrulhada quando ia à mercearia)
Era marmelada o ano todo que o meu avô (lambareiro como só ele) comia acompanhada de gordas fatias de bom queijo...

Semelhante a isso, da minha vida carioca, só posso comparar ao "Romeu e Julieta"... uma combinação de queijo com goiabada que, apesar de deliciosa, não tem essas lembranças de infância. Até porque... a goiabada era de compra! 

E agora é a minha vez de seguir a tradição... muitos potes de marmelada, embora sem o requinte das tacinhas e lacinhos da minha avó. Já estão cobertas com papel vegetal embebido em aguardente. Como a balança não é amiga... nada de fileirinhas por cima dos armários... muitas já moram em outras casas e outras barrigas!
Bon apetit! 



4 comentários:

  1. Acho que nunca comi marmelada :(
    Um ótimo dia pra vc,
    Bjs

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Uma delicia, Elza. Aí não tem pé de marmelo?
      Beijos e uma excelente semana!

      Eliminar
  2. Que nostalgia senti ao ler este post... também havia sempre marmelada na casa da minha avó :) que saudade!!!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Lindinhas aquelas cozinhas... Agora resta-nos seguir a tradição. Vamos???? :)

      Eliminar

Ocorreu um erro neste dispositivo